Introdução

Tenho visto que muitos colegas não usam nenhum sistema de controle de versões; uns por acharem que é muito caro, outros muito difícil de implementar. Para quem usa o Delphi, por exemplo, existem algumas opções interessantes; sem nenhum custo e de fácil implementação.

Eu diria que, se vc. nunca usou um sistema de controle de versões, não sabe quanta dor de cabeça poderia ter evitado; Lembra aquele código que vc modificou, não deu certo e, quando vc. viu já era tarde para recuperar o antigo. Ou pior, seu computador deu problema (HD pifou, foi roubado, etc), backup desatualizado e dai?.

Um sistema integrado de “Controle de Versões” resolve todos esses problemas. Vou citar aqui o “JEDI VCS” cujo projeto está disponível no “sourceforge”. É muito fácil de instalar, eu uso com o meu banco de dados preferido, o Firebird.

JEDI VCS

O JediVCS versão 4.5 é a versão estável mais recente; a 2.5 está na Beta 3. Eu instalei o Jedi há alguns anos atrás e gostei muito porque ele se integra totalmente na IDE do Delphi ou Rad Studio. Atualmente uso o Rad Studio 2010 e funciona muito bem.

Quando instalado o Client JediVCS, o programa de instalação cria na IDE do seu Delphi a opção “JEDI VCS” contendo então todos os recursos de manipulação do seu repositório; bem como: Check-In, Check0-Out, Compare modules, Sinchronize/Restore projects, etc.

Para quem nunca usou o sistema de controle de versões; num primeiro momento, confesso, vc fica um pouco confuso, posso confiar nisso? (é a primeira pergunta). A resposta é que é muito, mas, muito mais confiável que não usar um.

Após instalar o JEDI. A primeira vez que vc. abre um projeto na IDE, quando vc. aciona, o “Project Manager” o JEDI vai lhe avisar que não existe um repositório desse projeto no servidor e se vc. deseja criá-lo. Respondendo “sim”, o JEDI cria para vc. o repositório e “levanta” (faz o Check-In) de todos os programas do projeto.

Vou resumir aqui apenas alguns recursos que um controle de versões lhe oferece:

Check-In

Os arquivos do programa cujo “check-in” fora realizado, ficam marcados como “ReadOnly” (apenas leitura) no seu HD.

Check-Out

Para alterá-lo vc. precisará fazer o “check-out” do arquivo; nesse caso, vc informa o motivo (util para identificar sempre o motivo da alteração no arquivo) e confirma; a partir daí o servidor baixa o arquivo atualizado na sua máquina e modifica o “status” para “leitura/escrita”.

Quando concluir as alterações no arquivo vc. podeerá fazer o “Check-In” novamente; informando as modificações que vc. realizou.

Compare Modules

Usando essa opção, vc poderá, a qualquer momento, comparar as versões do seu código local com o código no servidor ou e também, comparar versões anteriores do próprio servidor. Isso é muito legal, visto que podemos visualizar as diferenças e implementações no código.

Branch

Agora suportado no JEDI, um recurso extremamente interessante, que permite que vc. crie uma cópia de determinada versão do projeto. Vamos supor que vc. vá desenvolver novos recursos e quer manter o projeto original, então crie um “branch” e trabalhe nele.

Outros recursos não menos importantes estão disponíveis a partir do “Project Manager”; onde, por exemplo, vc. irá cadastrar os desenvolvedores e senhas; bem como os poderes de acesso à cada projeto.

Conclusão

O JEDI CVS é simples de instalar e, permite um controle prático e muito eficiente; dependendo do nível de integração e controle que deseja, o SubVersion; outro controle de versões (inclusive adotado e integrado às novas plataformas de desenvolvimento da Embarcadero “XE”: Delphi, RadPHP, C++,etc); mas não vou falar dele aqui, mesmo porque, conheço pouco.  Sugiro que leiam a matéria do meu amigo Erick Sasse, Subversion x Jedi entre outras.

Onde obter o JEDI: http://jedivcs.sourceforge.net/
Onde obter o SubVersion:  http://subversion.apache.org/packages.html

Posts Relacionados

Tags: , , ,



Nenhum Comentário

You must be logged in to post a comment.